sábado, setembro 30, 2006

Perguntas estúpidas - parte 2



Porque é que nos agasalhamos e saímos de casa prontos para um dia de chuva torrencial, quando depois chove durante 3 minutos e passamos o resto do dia a morrer de calor?

(esta pergunta não se aplica a países africanos)

sexta-feira, setembro 29, 2006

A cruel verdade...



Abraços Riscados

quinta-feira, setembro 28, 2006

Perguntas estúpidas



Porque é que quando comemos os cereais ao pequeno almoço, a única coisa que lemos é a caixa dos cereais? O que será que fascina toda a gente? É o quadro das calorias? A banda desenhada do verso? ou será que são os cereais que têm o poder de te parar o cérebro quando estás a comer?..

Por falar em cereais, vou-vos recomendar os melhores do mercado neste momento. Chamam-se Pillows e estão à venda nos Supermercados Lidl.



Acreditem em mim, são mesmo os melhores que há.

terça-feira, setembro 26, 2006

coisas do seco


(seco a oferecer uma maçã à prof. de física)

segunda-feira, setembro 25, 2006

sábado, setembro 23, 2006

Aquecimento Global


(uma das cenas do filme "Uma Verdade Inconveniente")

quinta-feira, setembro 21, 2006

os malucos do espaço

o porquê das nossas antigas professoras nunca se lembrarem de nós



abraços riscados


O matador está de volta.. menos seco do que o costume, mais sorridente que nunca..

quinta-feira, setembro 14, 2006

Não se esquecam de votar !!!


(Carreguem na fig. para ver os nomes das fotos)

Para quem ainda votou nas maiores personalidades do Pilão...

Aqui fica os 3 fortes candidados à vitoria..

O Cartolas, e Sapo inerte e o Prof Milhano.

terça-feira, setembro 12, 2006

Onde está o Osama!!

Cerca de 5 anos desde do atentado terrorista em 9/11, e a pergunta que faço, onde está o responsavel pelo maior atentado da humanidade ??

Onde está o Bin Laden??




Pelos vistos ninguem consegue apanhar!!

quarta-feira, setembro 06, 2006

Os anos passam..

Os membros do saco riscado, felicitam mais um aniversário do Roferto…

Parabens...

As manas da caridade… 1, 2,3…

Ha é verdade, a tua prenda ja chegou.. está na Marina de S. Amaro...

terça-feira, setembro 05, 2006

Para reflectir...

Quem realmente quizer reflectir, aqui fica mais uma noticia de interesse...
Artigo publicado no Diario de Noticias "Ainda a propósito da “morte anunciada” do Instituto Militar dos pupilos do Exército

“No próximo Ano Lectivo não haverá inscrições de Alunos para o 5º Ano, nem para o1º dos Cursos Superiores”.Estas doutas palavras, da autoria do Senhor Director do nosso Instituto, põem em causa 95 anos de Instituição, já que, sem alunos, não há Escola.“Não se pretende fechar esta Instituição, que tão boas provas tem dado à Pátria! Pretende-se, isso sim, remodelá-la, modernizá-la, adequá-la à realidade...” dizem outros, que do IMPE pouco parecem entender.
Mas, sejamos práticos!
Qual a razão porque, havendo cerca de duas dezenas de interessados, sem ter havido qualquer publicidade, se impede que nova gente haja?Que autoridade tem o Senhor Director de não autorizar asinscrições?Disse que se baseava num “despacho oral do senhor General Chefe do Estado Maior do Exército”.O que é, e que peso tem, um “despacho oral”?Despacho é algo que se entende se, aposto em documento, decidir qualquer coisa mas, ... há decisões que, se pouco ponderadas, fazem tremer o mais sólido bastião.Permitam-me um jogo metafórico e imagine, respeitável leitor, que alguém dizia lá em casa ... “Não vai haver mais compras de fruta, leite e legumes até ao próximo ano!”.Provavelmente a vossa Casa não fechava, mas não era boa a vossa saúde!A actual Direcção da nossa Casa tem feito boa obra de organização e de gestão, tem pintado muros e paredes, melhorou-se a comida, responsabilizaram-se docentes e discentes, fez-se “trinta por uma linha”, mas boa tripulação não é a que bem sabe manobrar o belo navio, mas a que o leva a bom porto e quer que ele continue a navegar!Tenho quase trinta anos de serviço, sou há catorze anos, docente do Instituto Militar dos Pupilos do Exército. A minha Escola-Mãe, a Secundária da Amadora, está a minutos de minha casa mas ... apaixonei-me pelo IMPE e sua memória colectiva. Ainda recordo os meus primeiros tempos de docência neste Instituto. Recordo a criança triste que, com saudade dos seus, olha o longe, esperando que a venham buscar. Reparo no aluno mais velho que, a seu lado, ternamente, a procura ajudar e a faz compreender que também por ele passaram momentos de saudade e que vale a pena esperar para sentir o amor e os valores que aqui lhe darão.Lembro o momento mágico da imposição das “insígnias” aos alunos >graduados e ouço, de imediato, a “jacarezada”, o grito de louvor e honra aos eleitos.Vejo o brilho, no olhar dos meus alunos quando, lá fora, dizem ser “Pilões”. Vejo a criança feita Homem, que me ensinou a ver melhor a importância dos valores que aprendeu a conhecer e que o fortaleceram e formaram: O espírito de corpo, a inter-ajuda, a solidariedade, a disciplina, o trabalho e o método, o Hino, o seu próprio lema de “QUERER É PODER”.
Mudaram-se os tempos e algumas vontades, mas os valores para a justiça e para as virtudes mantêm-se.Por tudo o que atrás referi, porque meus Pais e Abril me ensinaram, achei não dever calar-me!"
Francisco Pelejão Camejo - Professor de História
Pode ser que quem tenha feito uma boa reflexão, sobre o "Caminho", descubra o melhor caminho sobre a nossa escola, sem ser os que se preve...
ou seja...

segunda-feira, setembro 04, 2006

Para Reflectir

"Caminho: faixa de terra sobre a qual se anda a pé. A estrada distingue-se do caminho não só por ser percorrida de automóvel, mas também por ser uma simples linha ligando um ponto a outro. A estrada não tem em si própria qualquer sentido; só tem sentido os dois pontos que ela liga. O caminho é uma homenagem ao espaço. Cada trecho do caminho é em si próprio dotado de um sentido e convida-nos a uma pausa. A estrada é uma desvalorização triunfal do espaço, que hoje não passa de um entrave aos movimentos do homem, de uma perda de tempo.
Antes ainda de desaparecerem da paisagem, os caminhos desapareceram da alma humana: o homem já não sente o desejo de caminhar e de extrair disso um prazer. E também a sua vida ele já não vê como um caminho, mas como uma estrada: como uma linha conduzindo de uma etapa à seguinte, do posto de capitão ao posto de general, do estatuto de esposa ao estatuto de viúva. O tempo de viver reduziu-se a um simples obstáculo que é preciso ultrapassar a uma velocidade sempre constante."

A IMORTALIDADE - Milan Kundera

sábado, setembro 02, 2006

viva as promoções

Certo dia, depois de um café nocturno prolongado, chego a casa e ponho-me a ver TV.
Como a essas horas o canal 2 já formiga e os outros 3 vendem descascadores de batatas e abdomatrixes, fiquei-me pelos descascadores a ver se ganhava sono.

Maravilhoso... simplesmente de expectacular a bondade deles, a sério...
imagem só que eles são tão bons vendedores e querem tanto bem aos clientes que se pôem aoferecer as coisas ao desbarato.

Um secador de cabelo, que também serve para fazer madeixas, tirar o pêlo ao cão, escovar cavalos, lavar o carro à pressão, e se acompanhado de uma bandeja consegue fazer um magnifico assado.
Esse mesmo secador, que antes custava 119 Euros mas agora custa só 39, se adquirido num intervalo de 15 minutos após o anúncio passar, mas só durante 15 minutos porque a oferta era digna de registo...

Atenção...
Poderiamos ser brindados...

Trrrrrrrrrrrr (isto é para ler como sendo os tambores do circo)

Ganhávamos um espetacular livro de instruções.

sexta-feira, setembro 01, 2006

Devagar se vai ao longe... ou não











É mais uma daquelas noticias a que já estamos habituados neste país de monges, sim porque o ábito faz o monge.

Então o nosso maravilhoso (10)governo chegou à maravilhosa conclusão que se reduzir o limite de velocidade máxima nas autoestradas, de 120km/h para 118 km/h, iremos conseguir alcançar os objectivos do protocolo de Kioto.

A minha ideia em relação a isso é simples... são uns génios.

Mas porque não optar também por outras ideias de génios, podiamos por exemplo proibir as pessoas de tomar banho poupando assim água, que tanto falta faz, como se poupa ainda gás, que também contribui para emissões de CO2 bem como para o défice de balança comercial.

Podiamos ainda proibir as pessoas de se flatoar para o ar livre, menos CO2 emitido para a atmosfera, aliás podiamos engarrafar os flatos e usá-los mais tarde como combustivel.

Ou então podiam ganhar juizo...